Situações do destino final nas regiões brasileiras

    Situações do destino final de resíduos nas regiões brasileiras

    Pesquisa de 1989 do IBGE demonstrou a gravidade do problema:

    Regiões

    Lixões

    At.
    Sanitários

    At.
    Controlados

    Usinas

    Outros

    Norte

    89,90

    3,67

    3,99

    2,58

    0,06

    Nordeste

    90,67

    2,25

    5,45

    0,74

    0,89

    Centro Oeste

    54,05

    13,10

    27,00

    5,02

    0,83

    Sudeste

    26,58

    24,62

    40,48

    4,41

    3,91

    Sul

    40,72

    51,97

    4,91

    0,98

    2,50

    Brasil

    49,27

    23,33

    21,90

    3,00

    2,50

    OBs.Valores expressos em porcentagem da quantidade de lixo coletado nas cidades

    A situação de aterros sanitários não é recente e que demonstra uma preocupação dos municípios para a busca de alternativas para minimizar estes problemas, com a absorção de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo passa a ser alternativas para alterar diagnóstico mundial e antigo.

    A Pesquisa Nacional de Saneamento Básico 2000, realizada pelo IBGE, revela uma tendência de melhora da situação de destinação final do lixo coletado no país nos últimos anos.

    Em 2000, o lixo produzido diariamente no Brasil chegava a 125.281 toneladas, sendo que 47,1% era destinado a aterros sanitários, 22,3 % a aterros controlados e apenas 30,5 % a lixões. Ou seja, mais de 69 % de todo o lixo coletado no Brasil estaria tendo um destino final adequado, em aterros sanitários e/ou controlados. Todavia, em número de municípios, o resultado não é tão favorável: 63,6 % utilizavam lixões e 32,2 %, aterros adequados (13,8 % sanitários, 18,4 % aterros controlados), sendo que 5% não informou para onde vão seus resíduos.

    Em 1989, a PNSB mostrava que o percentual de municípios que vazavam seus resíduos de forma adequada era de apenas 10,7 %.

    Os números da pesquisa permitem, ainda, uma estimativa sobre a quantidade coletada de lixo diariamente: nas cidades com até 200.000 habitantes, são recolhidos de 450 a 700 gramas por habitante; nas cidades com mais de 200 mil habitantes, essa quantidade aumenta para a faixa entre 800 e 1.200 gramas por habitante.

    A PNSB 2000 informa que, na época em foi realizada, eram coletadas 125.281 toneladas de lixo domiciliar, diariamente, em todos os municípios brasileiros.

    As 13 maiores cidades são responsáveis por 31,9% de todo o lixo urbano brasileiro.Dos 5.507 municípios brasileiros, 4.026, ou seja 73,1%, têm população até 20.000 habitantes. Nestes municípios, 68,5% dos resíduos gerados são vazados em lixões e em alagados. Se tomarmos, entretanto, como referência, a quantidade de lixo por eles gerados, em relação ao total da produção brasileira, a situação é menos grave, pois em conjunto coletam somente 12,8 % do total brasileiro (20.658 t/dia). Isto é menos do que o gerado pelas 13 maiores cidades brasileiras, com população acima de 1 milhão de habitantes. Só estas, coletam 31,9 % (51.635 t/dia) de todo o lixo urbano brasileiro, e têm seus locais de disposição final em melhor situação: apenas 1,8 % (832 t/dia) é destinado a lixões, o restante sendo depositado em aterros controlados ou sanitários, 2.569 cidades vazam o lixo hospitalar no mesmo aterro dos resíduos urbanos.

    Em 2000, a situação de disposição e tratamento dos resíduos sólidos de serviços de saúde (RSS) melhorou, com 539 municípios encaminhando-os para aterros de resíduos especiais (69,9 % próprios e 30,1 % de terceiros), enquanto em 1989 apenas 19 municípios davam este destino aos resíduos sólidos.

    Em número de municípios, 2.569 depositam nos mesmos aterros que os resíduos comuns, enquanto 539 já estão enviando-os para locais de tratamento ou aterros de segurança.A pesquisa mostra, também, que, entre os municípios com mais de 500.000 habitantes que destinam o lixo séptico em vazadouros a céu aberto, estão Campo Grande (MS), São Gonçalo (RJ), Nova Iguaçu (RJ), Maceió (AL) e João Pessoa (PB).

    Fonte:Pesquisa Nacional de Saneamento Básica ( PNSB ) , realizada pelo IBGE

    ( Instituto Brasileiro de Geografia Básica ) no ano de 2000,

     

     

     

     

     

    EFS - Estudo em Foco Saúde 2014- Todos os direitos reservados | Criative Web